parimatch

ZF-superbanner-01.08 a 01.11

Reformulação do sedã compacto amplia itens de série; são cinco versões entre R$ 103.990 e R$ 144.990, incluindo a inédita Exclusive como topo de linha 

 

Para ocupar a lacuna da ausência das versões de entrada do Jetta, e recuperar terreno em um mercado dominado por Onix Plus e Honda City, o Volkswagen Virtus passa por sua reformulação de “meia-vida”, buscando mais imponência no desenho externo e impressão de refino no habitaculo.  

 O Virtus ficou mais comprido: passou de 4,448 mm para 4,561 mm, em boa parte pelo redesenho total de sua dianteira. O capô agora tem perfil mais alto, e o para-choque é bem mais volumoso, guardando forte semelhança com um de seus “irmãos” de plataforma MQB, o Nivus. Os faróis dianteiros e de neblina em LED são de série em todas as versões. 

 A traseira também recebeu para-choque maior – porém, com mudanças mais sutis em relação ao modelo anterior –, lanternas em LED com nova assinatura que invade a tampa do porta-malas. Os elementos de identificação – emblema e nome do modelo – estão centralizados. Na versão Highline, a porção inferior do para-choque traseiro traz friso cromado além de refletores. 

 Segundo a Volkswagen, a capacidade do porta-malas foi inalterada: 521 litros pela medição VDA. 

Motores, câmbio e versões de acabamento 

A gama 2023 do sedã compacto chega no mês de março às concessionárias da marca e traz apenas motores turbo. O modelo de entrada, chamado apenas de Virtus TSI MT (R$ 103.990) é o único com câmbio manual de cinco marchas (o eterno e eficiente MQ200) e traz a calibração menos potente do motor 1.0 3-cilindros da família EA211, o 170 TSI, com 116/109 cv (Etanol/Gasolina) a 5.000 rpm e torque máximo e 16,8 kgfm (E/G) a 1.750 rpm. 

 Na versão TSI AT (R$ 112.990), entra o câmbio automático de 6 velocidades AQ250, que é adotado no restante da linha. Esta versão ainda traz o motor 170 TSI.  

 Já nos Virtus Comfortline (R$ 121.990) e Highline (R$ 130.030), o motor é o 200 TSI, com potência de 128/116 cv a 5.550 rpm e torque de 20,4 kgfm (ambos os combustíveis) a 2.000 rpm. 

 Por fim, o Virtus Exclusive (R$ 144.990) é a nova versão de topo de linha do sedã, e faz referência ao requinte do VW Santana EX de 1990. Traz o motor 250 TSI, que atinge 150 cv a 4.500 rpm e 25,5 kgfm a 1.500 rpm, e proporciona quatro modos de condução (Eco, Normal, Sport e Individual).  

O design da versão é exclusivo, com para-choques inéditos com frisos em cinza e o emblema “Exclusive” na grade dianteira, que acompanham as capas de retrovisor na mesma cor. Nas laterais, as rodas são de 18 polegadas com acabamento escurecido e o emblema “Exclusive” conecta o para-lama com a porta dianteira. Por fim, a traseira tem emblemas pintados em preto Piano. 

  Os bancos em couro recebem costura e design únicos, que acompanham as costuras duplas por todas as peças de couro da cabine: painel dianteiro, portas dianteiras, volante e apoio de braço no console central. Assim como no exterior, o emblema “Exclusive” aparece gravado no acabamento em couro ao lado da saída de ar-condicionado do passageiro e nos encostos de banco. 

 Porém, quem quiser esta versão terá que aguardar mais algum tempo: chegará mais tarde às lojas, mas a VW promete o Virtus Exclusive ainda para neste primeiro semestre de 2023. 

 

Por dentro do novo Virtus 

O sedã ganhou mais equipamentos de série em todas as versões, incluindo painel de instrumentos digital, carregador de celular por indução e entradas USB-C para os ocupantes dianteiros e os passageiros do banco traseiro, abaixo da saída de ar do túnel central. Porém, o multimídia VW Play com tela de 10,1 polegadas não está disponível para as duas versões básicas e é apenas opcional no Comfortline. Nos Highline e Exclusive, é de série. 

 O acabamento interno foi revisto. O painel recebeu revestimentos com costuras duplas, assim como os acabamentos de porta. Os bancos são totalmente novos, em couro a partir da versão Comfortline, e com detalhes em marrom na Highline. O volante multifuncional tem mesmo acabamento do painel, mas na cor preta. Já a manopla de câmbio nas versões automáticas tem detalhe iluminado, assim como os SUVs T‑Cross e Taos. 

Desde a versão básica o novo Virtus traz seis airbags, controle de velocidade de cruzeiro, controle de estabilidade e tração, controle de pressão dos pneus, assistente de partida em rampas e sistema frenagem automática pós-colisão.  

 Nas versões com câmbio automático, o controle de velocidade de cruzeiro convencional é substituído pelo sistema adaptativo (ACC) e são acrescidos frenagem autônoma de emergência, função frenagem de manobra, detector de fadiga, XDS+ (sistema que controla a entrega de potência em curvas através dos freios dianteiros para dar mais aderência) e o BSW (função que “limpa” os discos de freio dianteiros em dias de chuva ao aproximar levemente as pastilhas). 

 O Novo Virtus tem cinco opções de cores: branco Cristal, cinza Platinum, preto Ninja, prata Sirius e a novidade azul Biscay. Todas as versões poderão receber o pacote Black, disponível nas concessionárias, com rodas exclusivas e capa de retrovisor em preto piano, tapetes de borracha, spoiler na tampa traseira, pedaleiras em alumínio, adesivos nas soleiras e capa para chave.  

 

Texto: Fernando A. Lalli
Fotos: divulgação/Volkswagen

Share This
parimatch Mapa do site